O saber pedagógico como prática na prevenção de doenças e promoção da saúde no âmbito do SUS

Pedagogical knowledge as a practice in disease prevention and health promotion within the scope of SUS

Autores

  • José Wilson da Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão Campus Salgueiro
  • Kélvya Freitas Abreu Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão Campus Salgueiro

DOI:

https://doi.org/10.31416/rsdv.v10i3.422

Palavras-chave:

Educação em saúde, práticas pedagógicas, SUS

Resumo

A partir da criação do Sistema Único de Saúde (SUS), o modelo de atenção passa a ter como prioridade a promoção da saúde incluindo as ações de educação para o autocuidado. Portanto, uma comunidade será bem mais saudável quanto maior for sua assimilação sobre os conhecimentos referentes à sua saúde. Sendo assim, essa pesquisa tem como objetivo analisar os conhecimentos pedagógicos necessários aos profissionais da atenção primária à saúde, no desenvolvimento de ações educativas que promovam autonomia e protagonismo do usuário na atenção primária, garantindo um consciente autocuidado na prevenção de doenças e empoderamento dos sujeitos envolvidos nos processos saúde-doença. Metodologicamente, o presente estudo se desenvolve como uma pesquisa qualitativa de base interpretativista e de viés bibliográfico/documental, ao tomar como sustentação documentos do Ministério da Saúde (BRASIL, 2010, 2012) e a Lei nº 8.080/1990. Desta forma, compreende-se que, através dos Princípios e Diretrizes do SUS, as políticas e leis que regem esse sistema evidenciam a importância das ações educativas na proteção e prevenção de agravos à saúde. Somado à perspectiva técnica, dialogou-se com a noção do ato de educar em saúde, para isso foi utilizado interrelações com Libâneo (2011), Luckesi (2011), Vasconcelos (2009), Gramsci (1995), entre outros. Em síntese, entende-se para esta investigação que as práticas educativas, fundamentadas em conhecimentos pedagógicos, são importantes no desenvolvimento de ações coletivas que promovam aprendizagem em saúde e previnam doenças. Formar educadores em saúde requer a reflexão de processos teóricos e metodológicos amparados em evidências pedagógicas historicamente construídas.

Biografia do Autor

José Wilson da Silva, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão Campus Salgueiro

Discente do curso de Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Pedagogo (UNINASSAU/2017). Bacharel em Odontologia (UEPB/1994). Especialista em Educação Profissional (SENAC/2017).

Kélvya Freitas Abreu, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão Campus Salgueiro

Doutora em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, mestre em Linguística (2011) e licenciada em Letras (Português - Espanhol) pela Universidade Federal do Ceará (UFC/2008).

Referências

ABREU, Kélvya Freitas. Relações dialógicas no gênero relatório de estágio em comunidades de prática do Ensino Médio Integrado. Tese (Doutorado em Letras). Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Pau dos Ferros/RN, 2021.

BASTOS, J.R.M.; PERES, S.H.C.S.; RAMIRES, I.. Educação para a saúde. Porto Alegre: Artmed; 2003.

BRASIL, Paula Roberta da Conceição; SANTOS, Adriano Maia dos. Desafios às ações educativas das Equipes de Saúde Bucal na Atenção Primária à Saúde: táticas, saberes e técnicas. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 28, n. 4, p. 1-23, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/physis/a/L7DhfhY3qwpbzwsKdfjKkLN/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 28 out. 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BRASIL. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamen-to dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União, 1990.

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE. Declaração de Alma-Ata, URSS, 1978. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/declaracao_alma_ata.pdf. Acesso em: 05 dez. 2022.

CYRINO, Eliana Goldfarb; TORALLES-PEREIRA, Maria Lúcia. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cadernos de Saúde Pública, [S.L.], v. 20, n. 3, p. 780-788, jun. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/mrrzr85SM93thZzwGFBm56q/. Acesso em: 30 nov. 2022.

DOMINGOS, Patrícia Aleixo dos Santos; MORATELLI, Rita de Cássia; OLIVEIRA, Ana Luísa Botta Martins de. Atenção odontológica integral ao idoso: Uma abordagem holística. Revista de odontologia da universidade Cidade de São Paulo. São Paulo, SP, v. 23, n. 2 p.143- 53. Mai-ago, 2011.

FRANCO, Maria Amélia Rosário Santoro. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. vol.97. n 47, Set/dez. Brasília, 2016.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educação e Pesquisa, [S.L.], v. 41, n. 3, p. 601-614, set. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/gd7J5ZhhMMcbJf9FtKDyCTB/. Acesso em: 29 nov. 2022.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, Moacir. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em Perspectiva, [S.L.], v. 14, n. 2, p. 03-11, jun. 2000. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0102-88392000000200002. Acesso em: 10 dez. 2022.

GRAMSCI, Antônio. Os intelectuais e a organização da cultura. 9. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

LEAVELL, Hugh Rodman; CLARK, Edwin Gurney. Preventive Medicine for the Doctor in his Community. New York: MacGraw–Hill, 1965.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem componente do ato pedagógico. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

OLIVEIRA, Márcia Farsura de; COTA, Luiz Gustavo Santos. A pedagogia freiriana nas práticas de educação em saúde. Diversitates International Journal, 10(1), 46-58, 2018.

PAIVA, Ana Carolina de Oliveira; CICARINI, Walter Batista. O enfermeiro como educador no Programa Saúde da Famí¬lia. Enfermagem Brasil, [S.L.], v. 15, n. 5, p. 273-279, 19 dez. 2016. Convergences Editorial. http://dx.doi.org/10.33233/eb.v15i5.673.

ROMANO, Jorge. O. Empoderamento: recuperando a questão do poder no combate à pobreza in: Empoderamento e direitos no combate à pobreza. Rio de Janeiro: ActionAid Brasil, p. 9–20, 2002. Disponível em: https://docplayer.com.br/6580929-Empoderamento-e-direitos-no-combate-a-pobreza.html. Acesso em 08 dez. 2022.

RUIZ-MORENO et al. Jornal Vivo: relato de uma experiência de ensino-aprendizagem na área da saúde. Interface, v. 9, n.16, p. 195-204, 2005.

SIGERIST, Henry E. The University at the crossroads. New York: Henry Schumann Publishers, 1946.

VASCONCELOS, Mara; GRILLO, Maria José Cabral; SOARES, Sônia Maria. Unidade didática I: organização do processo de trabalho na atenção básica à saúde. Belo Horizonte: Editora UFMG; NESCON/UFMG, 2009.

Downloads

Publicado

2022-12-31

Como Citar

SILVA, J. W. da; ABREU, K. F. O saber pedagógico como prática na prevenção de doenças e promoção da saúde no âmbito do SUS: Pedagogical knowledge as a practice in disease prevention and health promotion within the scope of SUS. Revista Semiárido De Visu, [S. l.], v. 10, n. 3, 2022. DOI: 10.31416/rsdv.v10i3.422. Disponível em: https://revistas.ifsertao-pe.edu.br/index.php/rsdv/article/view/422. Acesso em: 4 fev. 2023.