Schönberg, o Pierrot Lunaire e Adorno

Autores

  • Luiz Paulo Barbieri PUCRS

Palavras-chave:

Estética, Filosofia da música, Música atonal, Teoria crítica

Resumo

O presente artigo pretende analisar a produção musical do compositor Arnold Schönberg, particularmente seu Pierrot lunaire, op. 21, de 1912, à luz da filosofia e teoria estética do filósofo Theodor Adorno. Ambos foram compositores e teóricos da música, com Schönberg exercendo grande influência em Adorno – que escreveu muito sobre sua obra e a tinha na mais alta estima –, particularmente nos seus escritos musicais e na Teoria estética. Não almejamos abordar toda a influência e ligação entre Schönberg e Adorno, mas apenas alguns aspectos com base na bibliografia referenciada, com destaque para as análises de Adorno acerca da divisão social do trabalho na sociedade capitalista e como a música de Schönberg a subverte e coloca os ouvintes em uma relação ativa. Para esse fim, se viu necessário fazer um panorama das grandes mudanças ocorridas na história da música contemporânea ao compositor vienense, dos seus precursores no desenvolvimento da linguagem atonal na segunda metade do século XIX até a produção de Schönberg e seus pupilos no século XX.

Referências

ADORNO, Theodor. A arte e as artes. In: A arte e as artes: primeira introdução à teoria estética. Trad. Rodrigo Duarte. 2 ed. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2018.

ADORNO, Theodor. Arnold Schoenberg (1874-1951). In: Prismas. Trad. Augustin Wernet, Jorge Mattos Brito de Almeida. São Paulo: Editora Ática, 1998.

ADORNO, Theodor. Filosofia da nova música. Trad. Magda França. 3. Ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.

ADORNO, Theodor. Tempo livre. In: Indústria cultural e sociedade. Trad. Julia Elisabeth Levy... [et. al.]. 8 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

CAMPOS, Augusto de. Pierrot, Pierrôs. In: Música de Invenção. São Paulo: Perspectiva, 2007.

MACDONALD, Malcolm. Schoenberg. (Master musicians series). New York: Oxford University Press, 2008.

ROSS, Alex. O resto é ruído: escutando o século XX. Trad. Claudio Carina e Ivan Weisz Kuck. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SAFATLE, Vladimir. Destituição subjetiva e dissolução do eu na obra de John Cage. In: RIVERA, T.; SAFATLE, V. Sobre Arte e Psicanálise. São Paulo: Escuta. 2006, p. 163-196. Disponível em: <https://www.oocities.org/vladimirsafatle/vladi086.htm> Acesso em: 13 nov. 2019.

SOCHA, Eduardo. Sismogramas do choque: considerações sobre o choque em "Teoria da vanguarda", de Peter Bürger, e em "Filosofia da nova música", de Theodor W. Adorno. Kriterion, Belo Horizonte, nº 129, Jun./2014, p.133-152. Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/e190/aecc02dd2f8954148c463bc42bb2c1393f26.pdf?_ga=2.98610846.1081890594.1573686218-1791011173.1572928469> Acesso em: 13 nov. 2019.

SWAFFORD, Jan. The Vintage guide to classical music. New York: Vintage Books, a division of Random House, Inc., 1992.

THOMSON, Alex. Compreender Adorno. Trad. Rogério Bettoni. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

Downloads

Publicado

2022-05-22