A Crítica da Arte em Hegel e a Defesa da Literatura em Beauvoir

Autores

  • Nathália Cristina Medeiros Maia Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

Apresentar uma análise concernente à obsolescência da arte na visão de Friedrich Hegel, a partir de sua teoria estética e da sua crítica à literatura romancista. Evidenciar a reflexão sobre a contemporaneidade da arte literária e romanesca, na perspectiva de Simone de Beauvoir, que defende a compatibilidade entre filosofia e literatura. Enquanto o pensador idealista enaltece a filosofia e a religião, a fim de as sobrepor à arte, a pensadora existencialista considera que a manifestação artística da modernidade – especialmente, o romance – é tão importante como o pensamento. Nesse sentido, este artigo visa evidenciar a defesa de Beauvoir à ação criativa, em relação ao posicionamento contrário de Hegel sobre as artes modernas, principalmente aquelas de caráter romanesco. Por fim propõe-se criar uma síntese dialética entre o sensível e o inteligível, o sentir e o pensar, a subjetividade e a objetividade, a razão e a emoção, de maneira a manifestar uma aproximação entre o essencial e o aparente, sem separar a relevância da conexão que há entre os fenômenos e o Espírito Absoluto.

Referências

BEAUVOIR, Simone de. Literatura e metafísica. In: O existencialismo e a sabedoria das nações. Tradução de Manuel de Lima e Bruno da Ponte. Porto: Minotauro, 1965.

CANDA, Cilene Nascimento. As finalidades da arte: a autonomia e a liberdade na estética hegeliana. Griot : Revista de Filosofia, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 40–51, 2010. DOI: 10.31977/grirfi.v2i2.472. Disponível em: <https://www3.ufrb.edu.br/seer/index.php/griot/article/view/472>. Acesso em: 13 mar. 2022.

CORREIA, Fábio Caires. Breves notas sobre o conceito de estética em Hegel. Teatro: criação e construção de conhecimento. V. 05, N. 1, 2017, p. 03-08. Disponível em: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/teatro3c/article/view/5695/13940> Acesso em 05 ago. 2022.

FEITOSA, Charles. O senso e o sensível na estética de Hegel. Artefilosofia, Ouro Preto, n.2, p. 54-62, jan. 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufop.br/raf/article/view/772/728> Acesso em: 05 ago. 2022.

FRANÇA, Lincoln Menezes da. Estética e consciência infeliz na filosofia hegeliana. Revista Eletrônica Estudos Hegelianos. Ano 6. Nº 10. Junho, 2009. 109-121.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Cursos de Estética. Vol. I. Trad. Marco Aurélio Werle. São Paulo: Ed. USP. 1999.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich (1996). Curso de Estética: o belo na arte. Trad. Orlando Vitorino e Álvaro Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes.

PELLEJERO, Eduardo Aníbal. No seio do mundo – A literatura como lugar da consciência reflexiva. MOARA – Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Letras. ISSN: 0104-0944 [S.I.], n. 53, p. 144 – 154, dez. 2019. ISSN 0104-0944. Disponível em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/moara/article/view/8237>. Acesso em: 11 mar. 2022.

TEIXEIRA, Pedro Rhavel. Literatura e Metafísica na Filosofia de Simone de Beauvoir. Sapere Aude, vol. 8, nº 16. 2017. pp. 508-521. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/SapereAude/article/view/P.2177-6342.2017v8n16p508>

SOUSA, Karla Cristhina Soares. O romance metafísico: a escrita literária em Simone de Beauvoir. Anãnsi: Revista de Filosofia, Salvador, vol.2, nº. 1, p. 78-88, 6 jun. 2021. Disponível em: <https://revistas.uneb.br/index.php/anansi/article/view/10806/7989> . Acesso em: 05 ago. 2022.

SOUZA, Raul Salomão; SANTOS, Robinson dos. Hegel e o fim da arte. Revista Seminário de História da Arte. ISSN: 2237-1923. VOLUME 01, N° 07, 2018.

REZENDE, Claudinei Cássio de. O Momento Hegeliano da Estética: a auto-superação da arte. Kínesis – Revista de Estudos dos Pós-Graduandos em Filosofia, v. 1, n. 01 (2009). Disponível em: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/kinesis/article/view/4289. Acesso em: 18 de maio de 2022.

ZANARDINI, Darice (2010). O Belo Artístico em Hegel. In: UTZ, Konrad; SOARES, Marly Carvalho (Orgs.). A noiva do espírito: natureza em Hegel [recurso eletrônico]. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010, p. 526-541.

Downloads

Publicado

2022-09-08